Buscar
  • WP Ranch

A história do esporte de Três Tambores por Gail Hughbanks Woerner



Quem nos conta sobre como o esporte de 3 Tambores começou nos EUA é a escritora estadunidense Gail Hughbanks Woerner, hoje com 86 anos e com 7 livros publicados e muitos artigos, incluindo The American Cowboy, Western Horseman, Persimmon Hill, Cowboys and Country, Pro Rodeo Sports News e The Ketch Pen (revista da Sociedade Histórica de Rodeio) que contam a história dos esportes western nos EUA, escreve também artigos sobre a história do rodeio para revistas da Austrália, Canadá e França e é membro da Western Writers of America. Atualmente vem trabalhando em seu novo livro, que irá contar em detalhes a história do esporte de 3 Tambores em detalhes.


Gail começa suas lembranças:


Como uma jovem que cresceu nas High Plains, Colorado (EUA), não haviam provas de Três Tambores como parte dos rodeios locais ou das competições de cavalos infantis durante a década de 1940. Vi meu avô conduzir meu cavalo pelos 3 Tambores na feira local no final da década de 1940. Pelo que me lembro, ele arrastou minha égua em um ritmo sem pressa. Não é o que vemos hoje, quando assistimos as competições com cavaleiros cada vez mais rápidos dentro da arena de rodeio de hoje.


Uma curiosidade tomou conta de mim, onde o esporte de 3 Tambores começou e quando? Meus primeiros contatos foram com mulheres que começaram no esporte muito cedo, como Faye Blackstone, de Parrish, Flórida; Dixie Reger Mosley, de Amarillo, Texas; e Wanda Harper Bush, de Mason, Texas. Faye começou sua carreira de competidora nos anos 1930, mas quando os atos especiais começaram a ser substituídos, Faye transformou seus grandes talentos em equitação nas provas de 3 Tambores. Ela e algumas outras cowgirls iniciaram no Tambor, na Flórida em 1950. Dixie Reger Mosley começou sua carreira de rodeio aos 5 anos e meio de idade. Crescer em uma família de competidores e envolvidos com esporte dentro do rodeio, deu-lhe muitas oportunidades. Quando a Girls Rodeo Association (GRA) começou em 1948, que depois se tornou a Associação Profissional de Rodeio de Mulheres (WPRA) em 1981, Dixie era a vaqueira, e competia na maioria dos eventos, exceto na montaria de touros. Ela viu o Tambor evoluir através da organização GRA para se tornar um evento para mulheres que hoje habilita as competidoras para os eventos da Associação Profissional de Rodeio Cowboy (PRCA). Wanda Bush venceu seu primeiro Campeonato Mundial de 3 Tambores em 1952 e seguiu essa grande honra com vários Campeonatos Mundiais adicionais ao longo de sua carreira de rodeio.


Os 3 Tambores foi visto pela primeira vez no Texas, de acordo com Faye Blackstone, e se espalhou a partir daí. Embora as mulheres estivessem competindo no rodeio, de várias maneiras, desde a década de 1880, quando Buffalo Bill Cody contratou Annie Oakley, a mais conhecida manejadora de armas da época. Cody descobriu que os fãs se reuniam em seus shows no oeste selvagem para vê-la se apresentar, mas a decisão de incluir mulheres sempre ficou a critério dos homens que organizavam o evento.

O Cowboy Reunion de 1931 em Stamford, Texas, um rodeio de fim de semana, decidiu adicionar meninas, com dezesseis anos ou mais, que eram patrocinadas por empresas da área e representavam a comunidade de onde elas vieram. As meninas lideravam o desfile, participavam de várias atividades menores no rodeio e ficavam disponíveis para visitar e dançar com os cowboys nos eventos sociais realizados todas as noites. No ano seguinte, as jovens receberam prêmios; pela melhor montaria, a traia mais bonita dos animais e melhor equitação. A equitação foi demonstrada através de desenhar um oito em torno dos Tambores. Em 1935, o evento de Stamford mudou as corridas de 3 Tambores para um padrão de trevo (mais próximo dos que temos hoje), mas não foi julgado rigorosamente pelo menor tempo até 1949.


A Cowboys Amateur Association (CAA), organizada em 1940, realizou rodeios onde o competidor podia competir no nível amador e ganhar até US$ 500. Eles poderiam então ingressar na organização de rodeios 'profissionais', caso decidissem fazê-lo. A CAA organizou competições para mulheres e homens, incluindo provas de 3 Tambores, apartação, bareback, sela americana e as provas de laço. Eles também ofereceram dinheiro como prêmio, ao invés de presentes femininos, como estojos de maquiagem e produtos para o cabelo, que eram os prêmios oferecidos anteriormente para as mulheres nas competições.


Houve uma enxurrada de "todos os rodeios femininos" durante a Segunda Guerra Mundial. Eles tiveram muito sucesso, mas quando a guerra terminou e os homens voltaram para casa, as coisas voltaram a ser como eram antes da guerra, o que significava poucas competições de rodeio para mulheres.


As primeiras provas de 3 Tambores foram feitas em figuras de oito ou no padrão de trevo. Eventualmente, o número oito foi descartado em favor do padrão de trevo ser considerado mais difícil. Não há 'medidas oficiais' para as provas de Tambor. O padrão das medidas dos 3 Três Tambores, de acordo com o Livro de Regras da Associação Profissional de Rodeio Feminino, é “noventa pés entre o Tambor um e dois, cento e cinco pés entre o Tambor um e três, e entre o Tambor dois e três. Sessenta pés dos Tambores um e dois até a linha de pontuação. A linha de pontuação deve estar a pelo menos 18 metros do final da arena, se permitido, e não inferior a 12 metros.'


O PENDLETON ROUND-UP tem, de longe, o padrão de provas de 3 Tambores mais fora de conformidade e o maior do país. Abrange mais que o dobro do Padrão. O Pendleton Round-Up, que começou há quase cem anos, tem um campo de grama. A grama é difícil para os cavalos, por causa do deslizamento. No entanto, a grama é uma tradição e Pendleton não tem intenção de mudá-la. Competidores profissionais de Três Tambores queriam participar deste prestigioso rodeio, mas não queriam comprometer a segurança de seus cavalos por causa da grama. Foi decidido colocar os Tambores na pista de corrida, que circunda o campo de grama em 1999. Como o padrão é mais que o dobro do tamanho do padrão, 288 pés entre o Tambor um e dois e 288 pés entre o segundo e o terceiro Tambor, e sessenta pés da linha de pontuação.


As provas de 3 Tambores exigem que o cavaleiro e o cavalo compitam como um só. O cavalo que o cavaleiro escolhe é extremamente importante neste esporte. Deve ser rápido e ter a capacidade de fazer curvas em torno dos Tambores com a máxima precisão e velocidade. “A principal coisa necessária quando se procura o cavalo certo, para competir no esporte de 3 Tambores de primeira linha, é um coração enorme, uma boa mente e um amor pelos 3 Tambores.” disse Angie Clark, conhecida competidora, treinadora de 3 Tambores e organizadora do Wrangler Heartland Barrel Racing Tour, que consiste em onze competições realizadas em Arkansas, Oklahoma e Missouri. Outra qualificação necessária do cavalo é a capacidade de ter resistência e ser capaz de aguentar enquanto é transportado milhas e milhas para cada local da prova de 3 Tambores. Rebocar um cavalo por quatorze ou mais horas para chegar a um evento não é incomum. Quando isso é feito dia após dia, pode ser cansativo para o animal. Clark também disse: “É o único esporte que eu conheço que uma pessoa pode 'comprar'. Se um cavaleiro razoavelmente bom tiver dinheiro suficiente, como por exemplo US$ 150.000, para gastar em um cavalo bem treinado e de primeira linha, ele provavelmente poderia vencer todos.” A passada em pista hoje dura em torno de 20 segundos, em uma pista padrão nas competições profissionais de hoje. Os tempos mais curtos no Rodeio das Finais Nacionais foram na área de treze segundos. Brandie Hall correu o percurso na 8ª Rodada nas Finais Nacionais de 2006 em um recorde de 13,52 segundos.


Mildred Farris, pioneira nas provas de Tambores, cujos anos competitivos abrangeram a década de 1950 até 1971, e foi diretora, vice-presidente e presidente da Girl's Rodeo Association de 1965 a 1971, lembra-se dos dias em que ela e outros de sua época estavam tentando incluir as provas de Tambores nos rodeios em todo o país. “Eu trabalhei para o produtor de rodeio, Tommy Steiner, como secretário de rodeio e ele sempre tinha provas de Tambor em seus rodeios. Eu acho que o esporte de 3 Tambores, no início, muitas vezes substituiu os artistas contratados, que eram uma parte tão importante dos rodeios nos dias anteriores. As meninas dos 3 Tambores, em nossos dias, sempre usavam roupas mais coloridas e chamativas, muito parecidas com as artistas contratadas. Steiner foi o primeiro produtor a usar a fotocélula elétrica para cronometrar a prova de 3 Tambores. Deve ter sido na década de 1960”, Farris lembrou. Ela também disse que naquela época os prêmios das provas de tambor não eram comparáveis ​​aos dos eventos masculinos. Se Cutiano masculino ou Team Roping pagasse US$ 400 para o vencedor, a prova de Tambor pagava cerca de US$ 100 ao vencedor. Ela tem muito orgulho de dizer que no rodeio de hoje as provas de Tambores sancionados pela WPRA pagam dinheiro comparável aos eventos sancionados pela PRCA, como cutiano e as competições de laços, etc.


Farris relembrou seu primeiro cavalo de Tambor. Ela comprou um cavalo de laço 'estragado'. Ele era 'cabeça alta' e era impossível usar uma peiteira nele. Mas quando ele começava a correr, ele abaixava a cabeça e lidava bem. “A primeira prova de 3 tambores que participei com ele foi um rodeio amador e eu o havia disputado poucas vezes. No último minuto eles decidiram mudar o padrão e correr para o primeiro Tambor, depois para o terceiro Tambor (o mais distante) e de volta para o segundo Tambor. Apesar do fato de ele não ter executado esse padrão antes de terminarmos em segundo. Naquela noite, pratiquei esse novo padrão com ele e na segunda apresentação terminamos em primeiro”. Farris foi uma das quinze melhores competidores de tambor nos Estados Unidos por doze anos, de 1958 a 1970, perdendo apenas 1965. Ela também foi eleita Secretária do Ano pela PRCA nove vezes, com a mais recente homenagem dada a ela em 2006. Ela foi introduzida, com o marido, John, no ProRodeo Hall of Fame em 2006.


Charmayne and Cruiser at the NFR 1999

Charmayne James tem sido a vencedora mais consistente do World Champion Barrel Racer, com onze títulos entre 1984 e 2002. Ela também ganhou a média nas Finais Nacionais Rodeo sete vezes. Seu cavalo, Scamper, foi introduzido no ProRodeo Hall of Fame, e foi escolhido como o cavalo com mais coração pela WPRA por seis anos. Suas realizações nas provas de Tambor superaram qualquer outro concorrente até o momento. Ela também lidera a lista de Ganhos de Carreira na WPRA, com quase dois milhões de dólares. O recente anúncio do gêmeo de Scamper de 29 anos, por meio de clonagem, nascido em 8 de agosto e chamado Clayton, em homenagem à sua cidade natal, é a maneira de James tentar continuar a genética excepcional de Scamper nas provas de Tambor. James espera ansiosamente para ver os resultados.


As provas de 3 Tambores percorreram um longo caminho em um período relativamente curto de tempo ao revisar o desenvolvimento do rodeio. Em menos de sessenta anos o esporte pode ostentar prêmios iguais a todos os outros eventos de rodeio. Surgindo desde o início como uma forma de julgar as mulheres em um concurso enfatizando sua beleza, traje e equitação, para um esporte que pode exigir que o cavaleiro e sua montaria especial corra contra o relógio com velocidade e agilidade em torno dos Tambores até a linha de chagada. Os cavalos têm poder de permanência e um coração tão grande quanto o Texas, e os competidores de Tambor hoje são focados em um objetivo, são realizadores que trabalham duro e que não pensam em ficar 'caídos e sujos' para preparar a si mesmos e seu cavalo para a competição, tudo para entrar na arena e apresentar com graça e determinação para fazer o tempo mais rápido. Mas isso não aconteceu sem o trabalho duro, para ser o que é hoje!


Texto traduzido por: Ana Olivera MTB 93038/SP

Conheça mais sobre Gail Hughbanks Woerner: www.gailwoerner.com



26 visualizações0 comentário